Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Nasci há muito tempo, lembro-me bem. Seguraram-me pelos pés de cabeça para baixo, deram-me uma palmada no rabo para que eu pudesse chorar, mas eu não chorei porque não me havia ocorrido tragédia alguma, excepto o eu ter nascido, claro está. Mas nem isso foi tragédia pois não sabia sequer o que a palavra tragédia queria dizer. Embrulharam-me em lençóis muito quentinhos e atarraxaram-me uma chupeta na boca, e estando eu tão feliz era impossível não adormecer, como realmente aconteceu. Acordei em minha casa rodeado de parentes, e a determinado momento descobri que conseguia andar, embora voar me fosse impossível o que me deixou muito desanimado com a vida. Sentei-me na cadeira de baloiço do meu avô, fi-lo como quem se senta no transiberiano, guloso por uma grande aventura. Dormi. Sonhei com muitas coisas bonitas e passados muitos anos acordei e vi que afinal a vida não tinha só coisas bonitas e fiquei muito aflito, embora eu não soubesse o que era aflição. Resolvi então voltar a dormir mas os olhos não se me queriam fechar e tive de convencer as pálpebras com muita persistência até que acabei por o conseguir. Voltei a sonhar muito, muito, com muitas coisas ao mesmo tempo, e decorridos alguns séculos despertei e a casa onde me encontrava já não era a mesma, embora a cadeira de baloiço fosse ainda a do meu avô. Olhei-me no espelho e descobri que estava tal qual ele, mas que ele já havia morrido assim como toda a minha família. Foi então que me lembrei da palmada da parteira e chorei muito até que fiquei alagado em tristeza. 

 Hoje sei que estou muito velho, mas ainda não sei o que são tragédia, aflição nem tristeza, e é por isso que escrevo pois quero, antes de morrer, conhecer todas as emoções escondidas dentro de mim.



publicado por Mário Ramos d´Almeida às 13:44
Lindo este texto amei de paixão, muito bem construido e muito bem imaginado, não por seres meu mas sim por o teu valor, tenho a dizer-te ès o maior! Adorei
bjs
Dulce almeida dinis a 20 de Maio de 2009 às 12:56

Obrigado pelas tuas palavras. É sempre um grande incentivo receber apoios destes. Irei tentar publicar regularmente, espere que gostes dos outros que se seguem. Bjs.

Mário querido! achei lindo este seu escrito! desde a idéia até a organização cronológica embutida na emoção. Muito lindo mesmo! parabéns!
bj
Lêda

http://ledarezende.blogs.sapo.pt/
http://blogs.abril.com.br/leda/
Lêda Rezende a 23 de Maio de 2009 às 13:54

Obrigado pelo comentário. Fico contente que tenhas gostado. Espero que gostes igualmente dos que se seguem. Volta sempre.

Da infância, da vida e da morte.
mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
23

24
25
26
27
29
30

31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO