Sábado, 05 de Setembro de 2009

O pequeno grupo avançou corredor afora. À medida que avançavam, o corredor estreitava mais e mais, as paredes nuas tornavam-se cada vez mais frias. Durante o percurso, que não terminava nunca, não se proferiu uma única palavra, apenas sinistros entreolhares entre o militar, a mulher balofa e o homem de trás, que se manteve sempre atrás do grupo. O corredor estreitou tanto que o acesso à sala só se podia fazer com uma pessoa de cada vez, e enfiando o corpo lateralmente. E assim entraram na sala, uns a seguir aos outros. A sala estava quase completamente vazia, as paredes brancas. Uma redoma de vidro vazia, com o suficiente tamanho de albergar uma pessoa humana, encontrava-se no centro da sala. Um papel enrolado jazia no chão à frente do grupo. Todos olharam o visitante que empurrou o papel para um dos cantos da sala com um pontapé convicto. Após isto, apenas silêncio. Por fim, o visitante atirou, "Porque raio me trouxeram para esta sala vazia?" E o militar, "Esta sala tem estado fechada há muito, na verdade nunca abriu, por isso que aguardávamos a sua visita com tamanha impaciência. Esta sala é referente ao povo do país Longinquo, do seu país Longinquo." E o visitante inquieto, "Não compreendo..." Nesse momento, o homem de trás bateu uma palma. O militar agarrou num dos braços do visitante, a mulher balofa no outro, e enquanto o encaminhavam, sem qualquer resistência, para a redoma de vidro, o militar concluiu, "Ser-lhe-á concedida a imortalidade,  meu caro. Você é um notável espécimen do seu povo longínquo. Aqui todos os visitantes o poderão ver, apreciar, estudar. Agora sim, já poderemos abrir a sala." E já com o visitante resignado no seu interior, o homem de trás fechou a redoma de vidro.

 

Fim



publicado por Mário Ramos d´Almeida às 16:59
Amigo Mário! Muito bom final, embora um espécime que não apanhe os papéis do chão não é assim tão raro, eheheheh. Mais uma vez parabéns pela forma magnifica como escreves. Fico à espera do próximo. Abraço
manu a 7 de Setembro de 2009 às 03:59

E mais uma vez obrigado pelo elogio. Espero que o próximo também seja do teu agrado. Um abraço.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Da infância, da vida e da morte.
mais sobre mim
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
subscrever feeds
blogs SAPO