Sábado, 12 de Setembro de 2009

Bati três vezes à porta da velha casa mas ninguém me respondeu. Gritei, "Ó da casa!", nada, "Está alguém?", nada. Tornei a bater como se não tivesse obtido resposta alguma, além do ricochete da minha voz trémula. Tinha escolhido aquela casa porque era a única das redondezas cuja chaminé fumegava, ouvia barulho dentro da casa, televisão a palrar, crianças a brincar, pessoas a discutir, mas ninguém me ouviu bater, e eu que só queria uma sopa quente porque sentia muito frio. Frenético, enrolei-me no grosso casaco imundo e esperei que a porta enfim se abrisse mas isso não aconteceu, mas mesmo assim eu esperei. Pensava já em desistir quando por fim a porta chiou e um homem grande surgiu por detrás dela. Disse-me com maus modos, "O quê!? Ainda aqui estás? Faz três dias que bates à minha porta quando te disse já variadíssimas vezes que não tenho sopa quente. Nem fria tampouco, quanto mais quente. Vai-te embora, já te disse." e eu respondi-lhe, Não o quero incomodar. Só lhe peço ajuda, não precisa de me dar sopa. Dê-me uma tigelinha de ajuda, por favor. Não o quero incomodar." A porta fechou-se com estrondo. A minha alma abanou. Esperei mais alguns anos à porta da velha casa, a chaminé sempre a fumegar, mas ninguém entrava ou saía. Um dia a porta abriu-se, sem eu ter batido sequer, o homem grande surgiu por detrás dela e estava agora grisalho e encarquilhado. Ordenou-me que entrasse. Aquiesci, sentia muito frio. Disse-me estas palavras, "Estou muito velho, muito cansado. Como imaginas, já não tenho condições para cuidar desta família. Senta-te. Esta agora é a tua poltrona. Esta a tua mulher, estas as tuas crianças. Agora, esta é a tua família. Mas lembra-te: Nunca dês sopa a ninguém. Quando te sentires velho e cansado chamas o homem que estiver de pé na soleira da porta. Ele cuidará bem da tua casa, podes estar seguro. Adeus." O homem saiu da velha casa. Eu permaneci sentado na minha poltrona.

Nunca mais senti frio.



publicado por Mário Ramos d´Almeida às 16:36
Olá Mário!!

Sensacional...gostei muito deste conto e de outro que li aqui. Voltarei para lê-lo mais...venho por uma, já comprovada, boa indicação do Manu...
Gosto muito de contos e tento me atrever, mas ainda tenho dificuldades... achei muito bom você ter um blog só de contos, parabéns!!

Abraço,

Rafael
Rafael Castellar das Neves a 16 de Setembro de 2009 às 15:41

Muito obrigado pela visita. Alegra-me muito que tenha gostado. Não gosto de dar conselhos, mas vou abrir uma excepção: a melhor forma de criar algo de interesse é atrever-se a fazê-lo. Por isso, atreva-se. Se o resultado não o satisfizer, atreva-se novamente. Já agora agradeço a indicação dada pelo Manu. Um abraço.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Da infância, da vida e da morte.
mais sobre mim
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO