Sábado, 12 de Setembro de 2009

Bati três vezes à porta da velha casa mas ninguém me respondeu. Gritei, "Ó da casa!", nada, "Está alguém?", nada. Tornei a bater como se não tivesse obtido resposta alguma, além do ricochete da minha voz trémula. Tinha escolhido aquela casa porque era a única das redondezas cuja chaminé fumegava, ouvia barulho dentro da casa, televisão a palrar, crianças a brincar, pessoas a discutir, mas ninguém me ouviu bater, e eu que só queria uma sopa quente porque sentia muito frio. Frenético, enrolei-me no grosso casaco imundo e esperei que a porta enfim se abrisse mas isso não aconteceu, mas mesmo assim eu esperei. Pensava já em desistir quando por fim a porta chiou e um homem grande surgiu por detrás dela. Disse-me com maus modos, "O quê!? Ainda aqui estás? Faz três dias que bates à minha porta quando te disse já variadíssimas vezes que não tenho sopa quente. Nem fria tampouco, quanto mais quente. Vai-te embora, já te disse." e eu respondi-lhe, Não o quero incomodar. Só lhe peço ajuda, não precisa de me dar sopa. Dê-me uma tigelinha de ajuda, por favor. Não o quero incomodar." A porta fechou-se com estrondo. A minha alma abanou. Esperei mais alguns anos à porta da velha casa, a chaminé sempre a fumegar, mas ninguém entrava ou saía. Um dia a porta abriu-se, sem eu ter batido sequer, o homem grande surgiu por detrás dela e estava agora grisalho e encarquilhado. Ordenou-me que entrasse. Aquiesci, sentia muito frio. Disse-me estas palavras, "Estou muito velho, muito cansado. Como imaginas, já não tenho condições para cuidar desta família. Senta-te. Esta agora é a tua poltrona. Esta a tua mulher, estas as tuas crianças. Agora, esta é a tua família. Mas lembra-te: Nunca dês sopa a ninguém. Quando te sentires velho e cansado chamas o homem que estiver de pé na soleira da porta. Ele cuidará bem da tua casa, podes estar seguro. Adeus." O homem saiu da velha casa. Eu permaneci sentado na minha poltrona.

Nunca mais senti frio.



publicado por Mário Ramos d´Almeida às 16:36
Olá Mário!!

Sensacional...gostei muito deste conto e de outro que li aqui. Voltarei para lê-lo mais...venho por uma, já comprovada, boa indicação do Manu...
Gosto muito de contos e tento me atrever, mas ainda tenho dificuldades... achei muito bom você ter um blog só de contos, parabéns!!

Abraço,

Rafael
Rafael Castellar das Neves a 16 de Setembro de 2009 às 15:41

Muito obrigado pela visita. Alegra-me muito que tenha gostado. Não gosto de dar conselhos, mas vou abrir uma excepção: a melhor forma de criar algo de interesse é atrever-se a fazê-lo. Por isso, atreva-se. Se o resultado não o satisfizer, atreva-se novamente. Já agora agradeço a indicação dada pelo Manu. Um abraço.

Que sejamos "Atrevidos"!!!

Abraço,

Rafael

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Da infância, da vida e da morte.
mais sobre mim
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
subscrever feeds
blogs SAPO